4ª Mostra BID-Brasil: Ministro assegura apoio à Indústria de Defesa

0
1015
O ministro citou o estudo de ações para aprimorar a "inteligência comercial" da indústria brasileira, tornando-a mais competitiva. (Imagem: Tereza Sobreira/MD)

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou durante abertura da 4ª Mostra Base Industrial de Defesa BID – Brasil, que mesmo com os ajustes econômicos que o País terá de enfrentar não faltarão esforços para criar mecanismos e oportunidades que assegurem o crescimento do setor.

Como ações concretas, e para um público composto por representantes das indústrias, Forças Armadas e forças de segurança (polícia militar e bombeiros, entre outros), o ministro citou o estudo de ações para aprimorar a “inteligência comercial” da indústria brasileira para torna-la mais competitiva.

Além disso, o ministro destacou a criação de uma área para cuidar especificamente da questão de financiamento e de garantias, considerada essencial para o setor. De acordo com Jungmann, o tema está sendo tratado no âmbito do governo com diversos órgãos, como Banco do Brasil e Secretaria do Tesouro Nacional.

O ministro também destacou o aperfeiçoamento de leis que regulam a comercialização de produtos de defesa e ressaltou a importância de envolver toda a sociedade brasileira no debate sobre a revisão dos documentos balizadores da Defesa: Livro Branco, Estratégia Nacional de Defesa e Política Nacional de Defesa.

“Temos que ter um maior envolvimento da elite política do País e da sociedade como um todo com os assuntos de Defesa”, disse o ministro, lembrando como essas publicações discorrem sobre a importância de qualquer nação ter uma Base Industrial de Defesa forte, sólida e independente. “Não existe Defesa sem Base Industrial de Defesa”, completou.

O presidente da ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Defesa), Frederico Cerqueira, destacou a importância da Mostra como uma boa oportunidade para trazer o tema em evidência. Ele ainda destacou os grandes eventos realizados no Brasil nos últimos anos (Jornada Mundial da Juventude, Copa do Mundo 2014 e Jogos Olímpicos) que exigiram a capacidade da indústria brasileira de defesa.

O ministro Jungmann afirmou que criará mecanismos e oportunidades que assegurem o crescimento do setor. (Imagem: Tereza Sobreira/MD)
O ministro Jungmann afirmou que criará mecanismos e oportunidades que assegurem o crescimento do setor. (Imagem: Tereza Sobreira/MD)

O presidente da APEX Brasil, embaixador Roberto Jaguaribe, destacou que o setor poderá continuar contando com os mais diversos mecanismos de apoio para enfrentar o momento econômico difícil do País.

Segundo ele, é preciso se buscar mecanismos inovadores sem deixar de investir na pesquisa, área fundamental para a indústria como um todo, mas, mais especificamente para a indústria de defesa.

Ivan Plavetz