1ª Bda AAAe: Exercício de Tiro Real simulando a defesa do Espaço Aéreo (Formosa/GO).

0
1303
Durante a apresentação foram executados tiros com os canhões de 40 mm BOFORS, da viatura blindada de combate Antiaérea com canhões 35 mm GEPARD, além dos mísseis portáteis RBS-70 (foto) e IGLA-S.

No dia 08 de agosto, a 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea (1ª Bda AAAe) realizou Exercício de Adestramento do Sistema de Armas da Artilharia Antiaérea com execução de tiro real, no Campo de Instrução de Formosa, na Região da Pedra de Fogo, em Goiás.

O principal objetivo da atividade é proporcionar a atualização das capacidades da Artilharia Antiaérea e da Força Terrestre.

Tidos como obsoletos, o que é um equívoco, o fato é que os canhões BOFORS L70/40mm sofrem de um problema simples: eles são poucos. Frente ao custo, uma massa desses canhões, bem posicionados e reequipados com sistemas como o SABER M-60 ainda são uma ameaça formidável para a maioria dos alvos aéreos mais comuns de uma guerra.
KMW Gepard 1A2: a parte debates sobre sua eficiência, os dois exemplares empregados em Formosa abateram seus alvos com dispêndio de poucos rounds de munição. A falta de um alvo aéreo a jato (mais veloz) é uma lacuna que a 1ª Brigada de Artilharia Antiáérea ainda não conseguiu cobrir. Os alvos fabricados pelo 3º GAAAe carecem de desempenho nesse quesito, velocidade. (TODAS AS FOTOS POR ROBERTO CAIAFA)

Participaram desse Exercício cerca de 600 militares de todas as Organizações Militares voltadas para essa missão específica. Mais de 90 viaturas se deslocaram até 2500 km transportando material para a realização do evento.

Durante a apresentação foram executados tiros com os canhões de 40 mm BOFORS, da viatura blindada de combate Antiaérea com canhões 35 mm GEPARD, além dos mísseis portáteis RBS-70 e IGLA-S.

Vídeo: Roberto Caiafa

Os disparos foram efetuados contra alvos aéreos desenvolvidos pelo 3° Grupo de Artilharia Antiaérea, visando à otimização do treinamento e à racionalização de custos.

O Comandante da 1ª Bda AAAe, General de Brigada Alexandre de Almeida Porto, salienta que esse Exercício é o mais importante da Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro.

Adidos militares puderam conhecer de perto todos os armamentos empregados em Formosa, como o MANPADS RBS70 (SAAB, Suécia), e IGLA-S 9M342 (Rússia), visto abaixo em seu case de transporte para pronto emprego com dois sistemas completos, exceto pelo mecanismo de gatilho, última parte a ser acoplada ao míssil, e visível acima de seu case para guarda e transporte. (TODAS AS FOTOS POR ROBERTO CAIAFA)

O General explicou que foram necessárias muitas horas de treinamento no simulador para poder realizar um único disparo. “Selecionamos, entre todos os que estavam aptos, os melhores para estar aqui presente e realizar o disparo”, disse o Comandante.

Estiveram presentes na apresentação o General de Exército Claudio Coscia Moura, Chefe do Departamento de Engenharia e Construção, o General de Exército Luís Eduardo Ramos Baptista Pereira, Comandante do Comando Militar do Sudeste, o General de Exército Laertede Souza Santos, Chefe de Logística e Mobilização do Ministério da Defesa, o Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, Chefe de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa, o Ministro Péricles Aurélio Lima de Queiroz, Ministro do Superior Tribunal Militar, demais oficiais generais, civis e convidados.

O comandante da 1º Brigada de Artilharia Antiaérea, general-de-brigada Alexandre de Almeida Porto, recebe o tenente-brigadeiro Aquino em Formosa.

Em primeiro plano: os brigadeiros Aquino e Mangrich, da Força Aérea Brasileira.